Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rumo ao Minimalismo

A minha viagem ao minimalismo, desperdício zero e vegetarianismo - Estou quase, quase lá!

Rumo ao Minimalismo

A minha viagem ao minimalismo, desperdício zero e vegetarianismo - Estou quase, quase lá!

10.09.18

Desafio 30 dias minimalista #3 a #9

Rita (porque minimalistas há muitas)

Bom dia malta!

 

transferir.jpg

Continuando o nosso desafio - e pedindo desculpa pelo atraso:

 

#3 - destralhe a sua vida digital 

 O dia 3 foi maravilhoso! Organizei o correio digital de todas as minhas contas de email e o desktop de trabalho. Progresso, right? Infelizmente deixei algo para fazer. Algo que já há muito tempo anda na minha cabeça e ainda não arranjei coragem para levar adiante. A limpeza do meu disco externo! Ai que trabalheira. Há tempos fiz uma pré-lavagem porque estava a ficar sem espaço. O disco tem 500 GB. Na altura consegui reduzir o numero de fotos de 15 000 para 13 000. Nada mau, mas não é suficiente. Entre programas de software, fotografias, ficheiros de antigos postos de trabalho - de certeza que há ali uns 200GB que consigo apagar. Não basta apagar o mínimo, para arranjar espaço para o que aí vem. Não é sustentável e comprar um disco novo está fora de questão. 

 

#4 - passe o dia inteiro sem reclamar 

 

Ora, este não foi fácil. Na verdade, para fora não saiu nada mas interiormente estava sempre a lembrar-me para não reclamar a toda a hora. A altura do mês também não é a melhor, If you know what I mean. Mas a muito custo lá consegui. 

 

#5 - identifique 3 prioridades na sua vida 

 

Esta é fácil. Não tirei o dia para pensar nisto - as 3 prioridades já estão mais do que definidas. Na realidade, se pensar bem não são 3. São para aí umas 75. Mas bom, 3 delas são as do blog - Minimalismo, vegetarianismo e zero waste. A nível familiar, tenho outras 3. A nível social, mais 3. A nível económico - outras 3. Não vou enumerar tudo, certo?

 

#6 - siga um ritual matinal 

 

O ritual matinal. Ai este meu ritual matinal que não quer por nada tornar-se ritual. Desculpem-me mas ainda não consigo. Tenho um ritual ideal, não sei se já falei sobre isto aqui - mas trata-se de acordar às 5 da manhã, beber um longo chá quente no sofá às escuras, exercitar-me e escrever no blog antes de ir para o trabalho. Este é o meu ritual - que ainda está por acontecer. Mas hei-de lá chegar. A Mel Robbins que o diga (quem estiver interessado em ver este vídeo, ative as legendas em português)! 

 

#7 - organize sua lista de leitura

 

A minha lista de leitura está organizadinha. Tenho os livros arrumados na estante por ordem preferencial de leitura. Agora falta... LER. 

 

#8 - aprenda a apreciar a solidão 

 

Toda a vida gostei da minha solidão. Adoro ter o meu espaço e tempo. Chamem-lhe procrastinação ou inutilidade, mas eu gosto. Principalmente ao fim de semana. Adoro desligar-me, deitar-me às 9 da noite e saber que tenho 15 horas para dormir à vontade. Destas 15, normalmente restam 7 ou 8 porque demoro imenso tempo a adormecer. Um dia destes desligo-me o fim de semana inteiro. Quem me conhece e precisa de mim, está à distância de uma chamada telefónica. 

 

 #9 - diminua a sua coleção de produtos de beleza 

Isto, de facto ainda não o fiz porque me custa. Sim, tenho produtos de maquilhagem cujo prazo de validade já expirou, mas sei que ainda funcionam. Por norma não uso maquilhagem nem carrego a pele com cremes e pomadas. Mas e os batizados? E os casamentos? E jantares finórios? Sei lá, tudo pode acontecer - E quando acontecer, gostava de ter opções. Apesar de na maioria das vezes não usar nada. É tão bom! E a verdade é, que se uma miúda estiver muito "produzida" e pintada - as pessoas reparam. Mas quero acreditar que se não estiver, as pessoas não reparam. O que faz de mim uma pessoa completamente normal. Eu gosto de ser normal. Não ligo a aparências e adoro ir aos supermercados e esplanadas de leggings e t-shirt. Adoro principalmente quando pessoas próximas ao meu trabalho me reconhecem na rua e mudam radicalmente a forma de estarem comigo durante a semana por perceberem que afinal sou uma pessoa do povo. - Mas leiam com atenção o que vos digo - qualquer dia deito tudo fora. 

 

O que já aprendi com este desafio?

Que não é preciso levá-lo 100% a sério.

Que podemos levá-lo ao nosso ritmo e fazer o que está ao nosso alcance a curto prazo. O resto logo se fará.

Há que trabalhar para sermos melhores um pouquinho de cada vez. Há que transmitir a nossa mensagem e defender os interesses do planeta e da nossa paz de espírito.

Aprendi que se as aparências são tudo para uma pessoa, sabe-se que por dentro não tem nada para mostrar.

Aprendi que é bom gostarmos e apreciarmos a nossa solidão - mais ninguém o fará. 

Aprendi que devemos reavaliar as nossas prioridades sempre que possível.

Aprendi a fazer o que vai no meu coração - apesar de todas as opiniões e sugestões contrárias à minha volta. Parece que toda a gente tem opinião sobre tudo e que toda a gente viveu mais do que eu para me mostrar que estou errada. O esforço e os argumentos que levantam para me fazer voltar atrás. É que nem têm noção do quanto magoam. Para mim, são decisões ponderadas e tomadas. Para eles, são bocas deitadas para fora sem pensarem muito e só para manter conversa. 

 

Ok, talvez alguns destes pontos não tenham sido aprendidos com o desafio, mas foram - por certo - surgindo ao longo da semana. Só queria deitar cá para fora. 

 

Boa semana para todos! 

 

 

 

 

 

 

 

3 comentários

Comentar post