Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rumo ao Minimalismo

A minha viagem ao minimalismo, desperdício zero e vegetarianismo - Estou quase, quase lá!

Rumo ao Minimalismo

A minha viagem ao minimalismo, desperdício zero e vegetarianismo - Estou quase, quase lá!

13.01.19

Destralhe anual: 1 - 13 jan

Rita (porque minimalistas há muitas)

Olá olá olá!

Resultado de imagem para hello gif

Lembram-se dos desafios que lancei há uns dias? Pois é, apesar de a minha casa já estar bem "destralhada" eu vou tentar desfazer-me de um objeto por dia, em 2019. Já vos tinha dito que em média, cada casa tem mais de 300 000 objetos? Quantos deles ficam esquecidos no fundo da gaveta ou do armário? Dito pelos The Minimalists, não estou a inventar! Acumula-se muita coisa! Eu gosto de me concentrar nas coisas que realmente importam e detesto perder tempo com objetos que não trazem significado nenhum à nossa existência. 

 

Como o caso destes aqui em baixo:

IMG_20190112_091707.jpg

 

São 13 objetos de maquilhagem. Cada um para os 13 primeiros dias do ano. Sabem há quanto tempo não uso maquilhagem? Há mais de um ano! E tenho mantido isto "para o caso de...". Conhecem bem estas palavras, certo? - "Ai, nunca se sabe... Sei lá, posso ter de ir a um casamento daqui a 3 anos. Ou imagina que tenho de ir a uma entrevista de emprego?" 

 

Acontece que a maquilhagem tem muito pouco tempo de vida útil (para os meus hábitos). E sinceramente, não adianta manter este tipo de coisas por casa. Quando conheci o minimalismo, foi como se tivesse acordado de um sonho irrealista, sabem? Os padrões da sociedade existem para manter os lucros das grandes empresas, já todos sabemos isto e não é novidade para ninguém. Hoje em dia tenho um ou dois cremes e chega bem. Pena ter dado os meus vernizes há uns meses, porque davam bem para um mês inteiro.  Já sei qual será o meu próximo destralhe - material de escritório!

 

Nota: Atenção que não é só desfazermo-nos de coisas à toa, só porque sim. Têm de ser coisas que já não precisamos e que já não trazem alegria às nossas vidas. Bom destralhe!

22.10.18

Desafio da Escrita #9 - Branco (no minimalismo)

Rita (porque minimalistas há muitas)

 Olá malta! 

 

Atrasada, mas ainda não me esqueci do desafio nem vou desistir, só para que saibam . Confesso que ultimamente tenho andado muito ocupada com uma série de acontecimentos - desculpa totó - mas cá estou para mais uma palavra deste magnífico desafio que tanto me faz analisar tudo à minha volta. Pensei muito no branco e na mensagem que deveria passar enquanto autora do blog e enquanto recém minimalista e que fosse de encontro aos pilares deste meu cantinho. Por isso cá vai.

 

Beach, Curtain, Decorations, Flower Bouquet, Flowers

 

Desde que moro sem os meus pais que me lembro de ter esta enorme vontade de ter uma casa imaculada cheia de branco - de certeza que há por aí alguém que se identifique comigo... certo?  - Aquela sensação de paz e brilho, em dias ensolarados com cortinas a esvoaçar e a nadar na brisa que entra pela janela, como se estivéssemos na ilha da lua de mel, no último filme do Crepúsculo. Estão a ver, não estão? 

 

O branco sempre me deu muita paz de espírito, e bem sabemos que as casas em Portugal (as casas do povo, diga-se) não são propriamente feitas de vidro nem deixam entrar assim tAAAnta luz. Mas a geração do desenrasca e as anteriores fazem o que podem, na medida do possível. E o que não falta para aí são objetos COMPLETAMENTE ESSENCIAIS (ok malta?) brancos para ter em casa. 

modern-minimalist-bedroom-3147893_1920.jpg

 

Ora de acordo com uma página brasileira, o branco significa "paz, pureza e limpeza" - três palavras que têm tudo a ver com o minimalismo, não acham? E quanto mais nos rodeamos com esta cor, mais brilho e clareza trazemos às nossas vidas. "É uma cor que sugere libertação, que ilumina o lado espiritual e restabelece o equilíbrio interior. (...) Um ambiente branco proporciona frescura, calma e dá ideia de maior espaço, proporcionando a sensação de liberdade. Em excesso, pode dar a impressão de frieza, vazio e impessoalidade. Por isso, sugere-se a conjugação com objetos coloridos. O branco oferece uma combinação perfeita com qualquer outra cor."

 

E vocês, gostam deste estilo minimalista-que-mais-me-parece-uma-mania-contemporânea-e-abusiva-e-que-se-calhar-não-dura-para-sempre? Têm dicas low cost? Digam coisas nos comentários!

 

Beijinhos

 

 

 

 

22.10.18

Livre-se de uma coisa que não usa, todos os dias durante um mês - The UniPlanet

Rita (porque minimalistas há muitas)

Capturar.PNG

 

 

Tenho a dizer que esta é a melhor newsletter que recebo DE SEMPRE e que felizmente aderi por recomendação de alguém aqui da nossa blogosfera do sapo. A UniPlanet retrata exatamente a minha posição atual no que diz respeito ao minimalismo e zero waste, que para além de ir de encontro à minha filosofia de vida e a qual (esporadicamente) tenho vindo a apresentar aqui no blog, tem apresentado notícias semanais do que se passa no planeta sobre estas temáticas. É realmente fantástico, e recomendo a quem não conhece que dê uma vista de olhos. É o meu feed de notícias favorito!

 

Este desafio foi publicado a 18 de Outubro deste mês e tem como objetivo fundamental livrarmo-nos de um objeto que não usamos por dia. 

1.PNG

 

Seja um verniz de unhas que já não usamos há muito tempo e que até nem gostamos muito da cor, ou aquele perfume que insiste em manter-se no fundo da prateleira. Um livro que já foi lido, ou uma caneta que não escreve - o importante é destralhar e eliminarmos de uma vez por todas todo este excesso que mantemos nas nossas vidas sem propósito nenhum e que - vá, todos vós concordam comigo - não interessam nem ao cão da vizinha para roer. 

 

Não vos digo para deitarem tais objetos no lixo (com exceção do raio da caneta - Usem computador ou o próprio telemóvel para substituir as vossas próximas compras de canetas). Muito pelo contrário. Podem até ser coisas que provavelmente trazem mais valia à vida de outras pessoas. Economia circular, minha gente. Nunca se esqueçam da economia circular. Andamento e bola para a frente!

2.PNG

 

 

 

10.10.18

Continuo a preferir o meu carro velhinho.

Rita (porque minimalistas há muitas)

car-2370619_640.jpg

 

 

Depois de vos ter dito aqui que tivémos de comprar um carro novo, porque fomos enganados numa compra em 2ª mão, esperámos dois meses por ele. 

Durante os dois meses, andámos para trás e para a frente com o meu velhinho, coitadinho que já não fazia viagens de 100 km's há anos. 

 

Depois, o carro chegou.

 

Chegou, e aqui a je quis logo experimentar, óbvio. Mas e a preocupação de:

 

Raspar em algum lado?

Partir um espelho?

Empenar uma jante?

Não entrar no carro sem dar uma voltinha ao veículo para me certificar que está tudo bem?

Sair do carro e dar uma voltinha ao veículo para me certificar que está tudo bem?

Lavar e limpar o "menino" porque é novo e porque tem de estar a brilhar?

Manter o cheirinho a novo e evitar odores?

Mexer com cuidado no manípulo das mudanças e no volante para não deixar marcas de unhas e de bijuteria?

Não levar a chave à porta para não deixar outras marcas?

Ter cuidado com os pés a entrar e a sair para não deixar marcas?

Pensar duas vezes antes de colocar combustível - não vá eu enganar-me nem o diabo tecê-las?

Sair do carro antes de o desligar para ter a certeza que deixámos todas as distâncias conforme deve ser?

 

Arre, que prefiro o velhinho. 

 

 

04.10.18

Desafio da Escrita #4 - Livro(s)

Rita (porque minimalistas há muitas)

Para o nosso quarto dia do desafio da escrita lançado pela totó, vou apresentar-vos 4 livros. Parece-vos bem?

E se fossem todos relacionados com o minimalismo, desperdízio zero e finanças pessoais, ainda melhor?

Pronto, então cá vai - Não me julguem, que é a segunda publicação que faço esta manhã:

 

1. 

Wook.pt - Desperdício Zero

"Filosofia de vida com base nos cinco "erres": refuse (recusar), reduce (reduzir), reuse (reutilizar), recicle (reciclar) e rot (decompor) Que tal implementar em sua casa e na vida uma filosofia de desperdício zero? Com este livro, aprenderá a erradicar o lixo da sua vida passo a passo. A autora demonstra os benefícios que usufruímos de um estilo de vida sem desperdícios: para isso, basta recusar aquilo de que não precisamos, reduzir o consumo, reutilizar e reciclar tudo aquilo que não podemos recusar. Deste modo, melhorará o seu estilo de vida, a sua saúde, poupará mais dinheiro e tempo, e proporcionará um futuro melhor para si, para a sua família e para o planeta." - E mais, não digo.  [1]

 

2. 

EVERYTHING THAT REMAINS: A MEMOIR

 

 

"E se tudo que você quisesse não fosse o que você realmente quer? Vinte e poucos anos, vestido de fato, Joshua Fields Millburn achava que tinha tudo que alguém poderia querer. Até achar que não.

Cego pela perda da sua mãe e do seu casamento, Millburn começou a questionar a vida que ele construiu para si mesmo.

Então ele descobriu o minimalismo. . . e tudo começou a mudar.

Quatro anos depois, Millburn abraçou a simplicidade. Na busca por algo mais substancial do que o consumo compulsório e o rompido Sonho Americano, ele descartou a maior parte de suas posses materiais, pagou um monte de dívidas incapacitantes e abandonou sua carreira de seis dígitos.

Depois que tudo se foi, o que restou? Não é um livro de instruções, mas um livro que vale a pena, Everything That Remains é a história tocante e surpreendente do que aconteceu quando um jovem decidiu deixar tudo para trás e começar a viver mais deliberadamente. De coração dilacerante, edificante e profundamente pessoal, este livro de memórias envolvente é recheado com interrupções perspicazes por Ryan Nicodemus, melhor amigo de Millburn de vinte anos." [2] - mais livros dos The Minimalists aqui. - Confesso que não encontrei versões traduzidas em Português, mas também não procurei muito. 

 

3. e 4.

 

[3]

"Sim, eu sei que sou suspeito, mas estou mesmo convencido que é um dos melhores livros já publicados em Portugal para nos abrir os olhos para a forma como gastamos o nosso dinheiro. Tem as dicas que precisa para começar a pôr as suas contas em ordem e para perceber afinal para onde vai o seu dinheiro, quando ele não chega ao fim do mês. E vai conhecer muitas alternativas para finalmente conseguir pôr as suas poupanças a crescer.

É um manual de finanças pessoais prático e simples que o pode salvar de muitos equívocos causados pela inércia ou ignorância. Não vai encontrar noutros livros nada tão simples de entender. Pelo menos, ainda não encontrei. Se conhece as reportagens na televisão sabe que não estou a exagerar. Vale mesmo a pena ter estas informações sempre disponíveis na sua estante, ao alcance da mão." - No meu caso, no wook reader ao alcance de um dedo... ou clique?!? 

 

Bom feriado!

Logo à noite vou ouvir a Carolina Deslandes ao vivo! Yeeeah

 

 

 

01.10.18

Desafio 30 dias minimalista #26 a #30

Rita (porque minimalistas há muitas)

 Olá malta 

Desafio para setembro.jpg

 

Com muita pena minha, chegámos ao fim do desafio. Mas que divertido e inspirador! Foi muito bom. Passo então a explicar:

 

#26 - Identifique o que te causa stress 

 

No dia 26 foi o meu aniversário! Correu tudo muito bem. Estive com a família e amigos. Paguei uns copos e no fim de semana diverti-me à brava num bar novo e com novas experiências que até me fizeram alucinar - no bom sentido, atenção. E mais não conto!  Há poucas coisas que agora me causam stress. Antes não. Era uma stressada e doida que corria atrás de tudo sempre com a sensação de estar a ficar para trás. Estou bem de saúde, de trabalho, de amores e de família. Não tenho filhos, não tenho preocupações. Por enquanto. .

 

#27 - Limpe a sua gaveta da bagunça 

 

Ai, pronto. Mais uma que ficou por fazer. Não é que não queira.. Mas assim que a abro fico tão assolada de maus pensamentos e energias que acabo por desistir. Já foi para a minha lista de tarefas e defini um alarme no telemóvel. Se calhar, hoje mesmo faço isto. Como raio cabe tanta coisa dentro de uma gaveta tão pequenina? Ela tem canetas, cabos, fios, carregadores, clips, papelada, pilhas, réguas e sei lá mais o quê. Garanto-vos que depois de a arrumar acabou-se a gaveta da tralha lá em casa. 

 

#28 - Abandone uma meta 

 

Lembram-se do meu milagre da manhã? Falei dele aqui e aqui. Decidi abandoná-lo. Pelo menos enquanto não regular o meu sono. Todos os dias decido deitar-me antes das 22h e todos os dias acontece algo que me impede ou me afasta do meu objetivo. Ontem precisei de sair para tratar uns assuntos depois de jantar. Ainda por cima bebi café às 21h. "Ah e tal, mas eu bebo os cafés que quiser e arranjo sempre sono na hora de dormir" - Sim, mas eu não sou assim. Se beber um café depois das 18h não durmo antes das 4 da manhã. Como de facto, hoje não estou fresca como as alfaces do lidl, mas cá me aguento. 

#29 - Desligue as notificações 

 

Desligo as minhas notificações todos os dias às 21 horas. Para quem não sabe, a maioria dos smartphones têm o modo de "Não incomodar", e eu defini o meu para as nove da noite. Pronto, é isto. 

 

#30 - Avalie as suas últimas compras 

 

Ui ui. Haverá por aí quem não queira fazer comentários sobre isto, que comentar sobre os nossos gastos ou finanças pessoais faz mal à saúde e faz aumentar o peso corporal. Ainda é um tabu no nosso país, e por isso mesmo é que gosto de falar no assunto. Eu cá falo sobre tudo e o primeiro que me mandar calar é o primeiro a ser ignorado. Tenho aprendido muito sobre finanças pessoais. Acompanho uma série de pessoas no youtube que direta ou indiretamente vão falando no assunto: 

 

Rachel Cruze 

Dave Ramsey

Chris Hogan

The Minimalists

Flávia Ferrari

The Fairly Local Vegan

Pedro Andersson - Contas-Poupança SIC

Lavendaire

TED - Ideas Worth Spreading

TEDx - Independently Organized TED Event

e tantos tantos outros... Procurem na net!

 

Bom, as últimas compras que fiz foram:

 

- Pagamento do condomínio;

- Mensalidade da Bimby;

- Mensalidade de um curso de Inglês no WSE;

- Mantimentos para casa (maioritariamente alimentação);

- Workshop de Macramé na Happy Handmade, pela Oficina 166 - Foi tão, mas tão bom!

- Combustível para o carro;

- Subscrição de um seguro para os meus óculos. 

 

O que APRENDI com este desafio?

 

Recapitulando:

 

- Faz bem passar no mínimo 24 horas sem net - Dá para fazer muito mais coisas e alivia a alma! hehe 

 

- A meditação é muito importante. Quem não acredita, é porque nunca experimentou. 

 

- Que não é necessário sermos tão rigorosos com certos objetivos pessoais estabelecidos por nós. Há que ter calma, pensar na solução mais eficiente e ir avançando sem stress e ao nosso ritmo. 

 

- Que todos os dias temos novas oportunidades para nos melhorarmos e fazermos upgrade em alguma condição mental, física, social, económica, familiar ou qualquer outra palavra acabada com qualquer outra terminação. Das duas uma - ou somos preguiçosos ou nem sequer nos apercebemos que devemos e podemos mudar. As pessoas tendem a ficar presas na mesma rotina no dia a dia. Comos se fôssemos feitos para trabalhar e para gastar o dinheiro em coisas que precisamos para trabalhar. Não é bem assim. Não é nada assim. 

 

- Aprendi a valorizar e a ver as pessoas que estão à minha volta.  Que só pelo olhar me dizem tanto. Pela expressão corporal, pelo à vontade, pela forma como falam comigo e pelo amor que esbanjam pelos olhos. Há dias que quase consigo ver pequenos coraçõezinhos vermelhos a saírem pela córnea, acreditam? Estejam atentos, possa. Percebam que se a aparência exterior é tudo para uma pessoa, é porque não tem nada para dar - só quer receber. Alguma coisa de muito errado aconteceu alguras nesta vida, mas os outros não têm de levar com as suas frustrações. 

 

- Que devemos apreciar a nossa solidão;

 

- Que devemos avaliar as nossas prioridades a cada passo do nosso objetivo. Que as coisas nem sempre correm como planeado e que não faz mal mudarmos o rumo;

 

- Que não faz mal deixar-me ir pelo coração - e que às vezes, é o cérebro que se mete ao barulho para armar confusão. 

 

- Apercebi-me que tenho sido exponencialmente feliz. Que quanto mais avanço no tempo, mais o sinto. Se me perguntarem se é possível ser feliz todos os dias, que não temos de trabalhar uma vida inteira para lá chegar? Sim. Claro. Todos os dias. Basta acordar. Basta ver os meus gatos a pedirem festas na barriga assim que chego a casa. Ou quando sinto água quente no corpo. Ou quando tenho comida na mesa. Ou quando o wifi funciona sem qualquer interferência.  É tudo uma questão de perspetiva. Estejam atentos

 

- Que cada um tem a sua estratégia para cada desafio e o adapta de acordo com as suas necessidades e formas de ver a vida. Existem os pragmáticos, os sistemáticos, os aborrecidos, os preguiçosos, e os lunáticos - como eu.

 

- Nada é fixo e tudo se transforma. Não há segundo que seja igual ao seguinte. Estamos um segundo mais velhos. Um segundo mais sábios. Um segundo mais ou menos felizes. Um segundo mais ou menos sujos. Um segundo mais velhos. Um segundo mais ou menos ansiosos. Enfim, vocês percebem. Estejam atentos

 

Boa semana para todos, que eu hei-de ter a minha!

 

 

27.09.18

Desafio 30 dias minimalista #21 a #25

Rita (porque minimalistas há muitas)

Bom dia malta! 

2018-08-24 14.44.19.jpg

 

 

 

Ora então vamos lá à primeira metade do último terço do desafio. 

 

#21 - Escreva por 20 minutos 

 

É relativamente fácil. Escrevi por 20 minutos ao contar os 5 dias anteriores do desafio. Mas acontece que gostava de escrever mais... Tenho sentido alguma falta em colocar todos os pensamentos e emoções no papel. O Milagre da Manhã (resumo aqui) é muito bom para isto. Experimentei há uns dias mas ainda não cheguei a fazer uma semana completa. As minhas noites têm-se alargado um pouco mais e não tenho tempo para seguir os fundamentos do livro todos os dias de manhã. Vou ter que definitivamente arranjar tempo para este ritual porque resulta mesmo, e é muito muito bom. 

 

#22 - Crie uma rotina relaxante para a hora de dormir 

 

Este é provavelmente o único que vou falhar no mês. Não quer dizer que antes do desafio acabar não o faça, mas por enquanto não está realizado. A minha rotina ideal relaxante para dormir trata-se de um chá quente, umas boas páginas de livro - sem TV nem internet. Neste momento, tenho o hábito de ver vídeos inspiracionais no youtube e vejo-me à rasca para adormecer. 

 

#23 - Saia sem maquilhagem 

 

Oh. Easy. Nunca uso maquilhagem. Garantidamente há mais de meio ano. Antes disso, usava muito esporadicamente quando não gostava do que via de manhã em frente ao espelho. Mas agora já não acontece. Caramba, se a Alicia Keys o faz, quem sou eu para andar para aí toda empinocada e cheia de pastas? Eu dou por mim a usar o perfume que tenho porque acaba por perder as propriedades do cheiro!  É o cabo dos trabalhos!

 

#24 - Pratique gratidão 

 

Conheci a Monja Coen. Obrigada Purpurina, pela tua rúbrica nova que já anda a mudar pessoas. Eu incluo-me no grupo! A monja Coen é muito boa oradora, adoro ouvi-la. A gratidão ficou completamente reformulada na minha cabeça assim que comecei a ver os vídeos dela. Tem palestras inteiras online! - E não é que estou a começar a interessar-me pelo budismo?

 

#25 - Não faça planos para este dia 

O dia foi muito bom. Celebrei o aniversário de um amigo e o meu. Um antes da meia noite e o outro depois. Fomos beber uns copos a meio da semana e soube tão bem. É bom fugir às rotinas, não é? 

 

O que já aprendi com este desafio?

 

Que nesta fase da minha vida é muito mais fácil escrever do que na primária, quando tínhamos de escrever as redações e levávamos TPC enormes para casa.   Que cada um tem a sua estratégia para este desafio e o adapta às suas necessidades e formas de ver a vida. Não há ninguém igual. Nada é fixo e tudo se transforma. Nunca passamos pela mesma coisa mais do que uma vez. Temos de aproveitar o agora! Apreciar o que realmente importa.  Que não é importante termos cada segundo das nossas vidas planeado. Podemos ir com a maré ou contra ela, de acordo com os nossos ideais e princípios.  Aprendi com este desafio, que é preciso relaxar. Não pensar demasiado em tudo!