Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rumo ao Minimalismo

A minha viagem ao minimalismo, desperdício zero e vegetarianismo - Estou quase, quase lá!

Rumo ao Minimalismo

A minha viagem ao minimalismo, desperdício zero e vegetarianismo - Estou quase, quase lá!

06.02.19

Destralhe anual: 14 jan - 6 fev

Rita (porque minimalistas há muitas)

Olá olá maltinha!

Chegou a vez do meu segundo destralhe anual e confesso-vos uma coisa... Passei um bom bocado à procura de objetos para destralhar e não foi fácil. Mas ao mesmo tempo... vejam a foto e reparem na quantidade de objetos aleatórios que uma pessoa (vá, eu) vai mantendo por casa. 

 

IMG_20190206_165243.jpg

 

Desde caixas de joalharia, a cordas de saltar, passando por embalagens vazias e coisas para gatos. Numa coisa também reparei, cerca de 70% destes items são de plástico (ou têm algum constituinte) e apenas uma é reciclável. Não comprei tudo, mas de alguma forma as coisas vieram parar cá a casa.

 

Acredito que consigo dar a maior parte destes items e não vou precisar de deitar fora, com a exceção dos cartões, o porta chaves de participação numa conferência, e um boião de gel que trouxe da conferência - ainda não percebi para que serve.

 

Bom, afinal não estou tão perto do zero waste como gostaria de estar, infelizmente. E esta quantidade de pástico? Minhã mãe. Há coisas sobre as quais preciso de pensar e ponderar, principalmente a respeito do consumo de objetos de uso único. E vocês, têm destas coisas em casa?

 

 

07.01.19

Viver com simplicidade

Rita (porque minimalistas há muitas)

Olá malta!

 

Já não escrevo há algum tempo, é verdade. Decidi fazer uma pausa e "retrospectivar" sobre tudo o que se passa à minha volta nesta altura do ano, ou dos anos. De vez em quando gosto de fazer isto, afastar-me um bocado e concentrar-me nas minhas prioridades e estilo de vida. 

 

Viver com simplicidade. É isto que eu quero para mim e para a sociedade, não fosse esta uma das mais variadas mensagens que o Papa Francisco tem vindo a espalhar. Confesso-vos que apesar de ser cristã - porque assim me batizaram - não sou praticante.

 

Não sou praticante, mas gosto de ouvir o homem. Ele sabe do que fala, é sábio e cheio de experiência no que diz respeito à natureza humana. Tem de se manter atualizado.  Como o Portas, mas de uma forma menos quantitativa, estão a perceber?

 

Sorry about thatAnyway, passámos uma época anual de muito consumismo e de novas realizações pessoais, pelo que é tempo de pensarmos nas nossas atitudes perante o universo e no nosso modo de estar e de viver, tendo em conta a nossa pegada ecológica.

 

Todos os dias somos bombardeados com notícias sobre os mais variados temas direta ou indiretamente ligados ao consumismo. Desde a redução do plástico ao aquecimento global. Vocês sabem que não é tudo treta, não sabem? Digam-me que sim. É tudo verdade, está a acontecer rapidamente e pode não afetar-vos a vós mas certamente que irá afetar os vossos filhos. 

 

Tenho quatro desafios para vocês para 2019.

1. As perguntas:

 

Peguem em cada objeto que estão prestes a comprar e façam estas quatro perguntas:

 

- Preciso mesmo disto?

- Tenho alguma coisa em casa que faz a mesma coisa?

- Isto serve mais do que 2 propósitos diferentes?

- Consigo arranjar em segunda mão?

 

 

2.O tempo de espera:

 

Se o dito objeto custa mais do que 20€ e estiver a mais de 20 minutos de distância da vossa casa, esperem o número de dias correspondente ao preço. Custa 30€? Esperem um mês. Custa 300€? Esperem um ano. Se acharem muito radical, façam as vossas próprias regras e definam um intervalo de tempo que achem que se adequa às vossas necessidades. Nota: Comprar casa ou bens essenciais não conta, ok? 

 

3. O destralhe:

 

Ai como é bom destralhar e dar um novo propósito às coisas que não usamos! Evitem a todo o custo deitar coisas fora, porque já sabemos como funcionam os aterros certo? Ao longo do ano tentem destralhar um objeto por dia em vossa casa. E para deixar as coisas ainda mais interessantes: Que tal descartar/reutilizar/doar um objeto cada vez que entra algo novo em casa?  

 

4. Reduzir o consumo de carne:

 

Esta resolução para 2019 está na moda, e não podia deixar de colocar aqui o desafio. Que tal fazer duas ou três refeições por semana sem carne?

 

Parece-bos vem?

 

Um bom ano a todos!

Divirtam-se, sejam felizes e aconcheguem-se que está frio!

22.10.18

Livre-se de uma coisa que não usa, todos os dias durante um mês - The UniPlanet

Rita (porque minimalistas há muitas)

Capturar.PNG

 

 

Tenho a dizer que esta é a melhor newsletter que recebo DE SEMPRE e que felizmente aderi por recomendação de alguém aqui da nossa blogosfera do sapo. A UniPlanet retrata exatamente a minha posição atual no que diz respeito ao minimalismo e zero waste, que para além de ir de encontro à minha filosofia de vida e a qual (esporadicamente) tenho vindo a apresentar aqui no blog, tem apresentado notícias semanais do que se passa no planeta sobre estas temáticas. É realmente fantástico, e recomendo a quem não conhece que dê uma vista de olhos. É o meu feed de notícias favorito!

 

Este desafio foi publicado a 18 de Outubro deste mês e tem como objetivo fundamental livrarmo-nos de um objeto que não usamos por dia. 

1.PNG

 

Seja um verniz de unhas que já não usamos há muito tempo e que até nem gostamos muito da cor, ou aquele perfume que insiste em manter-se no fundo da prateleira. Um livro que já foi lido, ou uma caneta que não escreve - o importante é destralhar e eliminarmos de uma vez por todas todo este excesso que mantemos nas nossas vidas sem propósito nenhum e que - vá, todos vós concordam comigo - não interessam nem ao cão da vizinha para roer. 

 

Não vos digo para deitarem tais objetos no lixo (com exceção do raio da caneta - Usem computador ou o próprio telemóvel para substituir as vossas próximas compras de canetas). Muito pelo contrário. Podem até ser coisas que provavelmente trazem mais valia à vida de outras pessoas. Economia circular, minha gente. Nunca se esqueçam da economia circular. Andamento e bola para a frente!

2.PNG

 

 

 

03.09.18

De quantos objectos precisas para seres feliz? - Público 2013

Rita (porque minimalistas há muitas)

Encontrei esta publicação do Público de 2013. Dêem uma vista de olhos. Está muito bem escrita e vale a pena. O relato de uma Rita, que podia ser eu - mas não sou investigadora no Algarve nem tenho dois filhos.

"O desafio, que consiste em viver com menos de 100 objectos" - ainda está por concretizar, mas não moro sozinha e há quem não seja, de todo, minimalista lá por casa - Gostava muito de um dia poder dizer que tenho menos de 100 objetos... O Joshua Fields Millburn diz que uma casa de tamanho médio tem normalmente mais de 300 000 items - Pode isto?? - Ele, tem 288 coisas e eu hei-de contar as minhas. Claro que cada um cria as categorias que quer. Por exemplo, para o Joshua - o talher é só uma coisa. Os copos são outra. A roupa interior é outra. 

 

Há coisas que para mim já estão um bocadinho desatualizadas no texto, principalmente a parte da compra de mp3. Eu uso Spotify - a versão gratuita, mesmo. 

 

Capturar.PNG

 

"Nota-se nas experiências narradas na Internet uma necessidade de valorizar o essencial. O foco naquilo que verdadeiramente importa. Também é recorrente nos discursos do minimalismo uma preocupação ambiental e o desejo de reduzir o stress quotidiano. Os objectos surgem como mais uma distracção, embora o excesso de trabalho e as obrigações sociais também sejam apresentados como tralhas intangíveis que colocam obstáculos à felicidade. Não parece haver no fenómeno regras absolutas ou caminhos obrigatórios. " - Diz a Andreia Soares, autora do artigo.

 

Aqui está outro artigo, também do Público - Renata Monteiro, 2017

 

Capturar1.PNG

 

 "O objectivo é tornar tudo “muito mais usável, orgânico e funcional”. “Imagina: se dissermos que gostamos de um livro e tivermos centenas de livros em montes, uns atrás dos outros, acabamos por não pegar nele porque é um volume tão grande de coisas que o nosso subconsciente também fica preguiçoso só de pensar ‘agora lá vou eu ter de subir àquela estante e pegar no livro que está atrás de tudo’". A organizadora cita uma autora que lhes chama “obstáculos”. “Se tiveres uma cozinha cheia de coisas, condimentos que não usas, esqueces-te que lá atrás tens farinha e fermento para fazeres panquecas”, lembra. “E tu até adoras fazer panquecas, mas depois cais na rotina de usar sempre as mesmas coisas porque nem tens tempo nem vontade para, de manhã, ires investigar por baixo do resto que não gostas.”

 

É tão simples assim. O minimalismo não tem regras. Nem sequer precisa de ser chamado de minimalismo. Trata-se de simplificar.