Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rumo ao Minimalismo

A minha viagem ao minimalismo, desperdício zero e vegetarianismo - Estou quase, quase lá!

Rumo ao Minimalismo

A minha viagem ao minimalismo, desperdício zero e vegetarianismo - Estou quase, quase lá!

01.10.18

Desafio 30 dias minimalista #26 a #30

Rita (porque minimalistas há muitas)

 Olá malta 

Desafio para setembro.jpg

 

Com muita pena minha, chegámos ao fim do desafio. Mas que divertido e inspirador! Foi muito bom. Passo então a explicar:

 

#26 - Identifique o que te causa stress 

 

No dia 26 foi o meu aniversário! Correu tudo muito bem. Estive com a família e amigos. Paguei uns copos e no fim de semana diverti-me à brava num bar novo e com novas experiências que até me fizeram alucinar - no bom sentido, atenção. E mais não conto!  Há poucas coisas que agora me causam stress. Antes não. Era uma stressada e doida que corria atrás de tudo sempre com a sensação de estar a ficar para trás. Estou bem de saúde, de trabalho, de amores e de família. Não tenho filhos, não tenho preocupações. Por enquanto. .

 

#27 - Limpe a sua gaveta da bagunça 

 

Ai, pronto. Mais uma que ficou por fazer. Não é que não queira.. Mas assim que a abro fico tão assolada de maus pensamentos e energias que acabo por desistir. Já foi para a minha lista de tarefas e defini um alarme no telemóvel. Se calhar, hoje mesmo faço isto. Como raio cabe tanta coisa dentro de uma gaveta tão pequenina? Ela tem canetas, cabos, fios, carregadores, clips, papelada, pilhas, réguas e sei lá mais o quê. Garanto-vos que depois de a arrumar acabou-se a gaveta da tralha lá em casa. 

 

#28 - Abandone uma meta 

 

Lembram-se do meu milagre da manhã? Falei dele aqui e aqui. Decidi abandoná-lo. Pelo menos enquanto não regular o meu sono. Todos os dias decido deitar-me antes das 22h e todos os dias acontece algo que me impede ou me afasta do meu objetivo. Ontem precisei de sair para tratar uns assuntos depois de jantar. Ainda por cima bebi café às 21h. "Ah e tal, mas eu bebo os cafés que quiser e arranjo sempre sono na hora de dormir" - Sim, mas eu não sou assim. Se beber um café depois das 18h não durmo antes das 4 da manhã. Como de facto, hoje não estou fresca como as alfaces do lidl, mas cá me aguento. 

#29 - Desligue as notificações 

 

Desligo as minhas notificações todos os dias às 21 horas. Para quem não sabe, a maioria dos smartphones têm o modo de "Não incomodar", e eu defini o meu para as nove da noite. Pronto, é isto. 

 

#30 - Avalie as suas últimas compras 

 

Ui ui. Haverá por aí quem não queira fazer comentários sobre isto, que comentar sobre os nossos gastos ou finanças pessoais faz mal à saúde e faz aumentar o peso corporal. Ainda é um tabu no nosso país, e por isso mesmo é que gosto de falar no assunto. Eu cá falo sobre tudo e o primeiro que me mandar calar é o primeiro a ser ignorado. Tenho aprendido muito sobre finanças pessoais. Acompanho uma série de pessoas no youtube que direta ou indiretamente vão falando no assunto: 

 

Rachel Cruze 

Dave Ramsey

Chris Hogan

The Minimalists

Flávia Ferrari

The Fairly Local Vegan

Pedro Andersson - Contas-Poupança SIC

Lavendaire

TED - Ideas Worth Spreading

TEDx - Independently Organized TED Event

e tantos tantos outros... Procurem na net!

 

Bom, as últimas compras que fiz foram:

 

- Pagamento do condomínio;

- Mensalidade da Bimby;

- Mensalidade de um curso de Inglês no WSE;

- Mantimentos para casa (maioritariamente alimentação);

- Workshop de Macramé na Happy Handmade, pela Oficina 166 - Foi tão, mas tão bom!

- Combustível para o carro;

- Subscrição de um seguro para os meus óculos. 

 

O que APRENDI com este desafio?

 

Recapitulando:

 

- Faz bem passar no mínimo 24 horas sem net - Dá para fazer muito mais coisas e alivia a alma! hehe 

 

- A meditação é muito importante. Quem não acredita, é porque nunca experimentou. 

 

- Que não é necessário sermos tão rigorosos com certos objetivos pessoais estabelecidos por nós. Há que ter calma, pensar na solução mais eficiente e ir avançando sem stress e ao nosso ritmo. 

 

- Que todos os dias temos novas oportunidades para nos melhorarmos e fazermos upgrade em alguma condição mental, física, social, económica, familiar ou qualquer outra palavra acabada com qualquer outra terminação. Das duas uma - ou somos preguiçosos ou nem sequer nos apercebemos que devemos e podemos mudar. As pessoas tendem a ficar presas na mesma rotina no dia a dia. Comos se fôssemos feitos para trabalhar e para gastar o dinheiro em coisas que precisamos para trabalhar. Não é bem assim. Não é nada assim. 

 

- Aprendi a valorizar e a ver as pessoas que estão à minha volta.  Que só pelo olhar me dizem tanto. Pela expressão corporal, pelo à vontade, pela forma como falam comigo e pelo amor que esbanjam pelos olhos. Há dias que quase consigo ver pequenos coraçõezinhos vermelhos a saírem pela córnea, acreditam? Estejam atentos, possa. Percebam que se a aparência exterior é tudo para uma pessoa, é porque não tem nada para dar - só quer receber. Alguma coisa de muito errado aconteceu alguras nesta vida, mas os outros não têm de levar com as suas frustrações. 

 

- Que devemos apreciar a nossa solidão;

 

- Que devemos avaliar as nossas prioridades a cada passo do nosso objetivo. Que as coisas nem sempre correm como planeado e que não faz mal mudarmos o rumo;

 

- Que não faz mal deixar-me ir pelo coração - e que às vezes, é o cérebro que se mete ao barulho para armar confusão. 

 

- Apercebi-me que tenho sido exponencialmente feliz. Que quanto mais avanço no tempo, mais o sinto. Se me perguntarem se é possível ser feliz todos os dias, que não temos de trabalhar uma vida inteira para lá chegar? Sim. Claro. Todos os dias. Basta acordar. Basta ver os meus gatos a pedirem festas na barriga assim que chego a casa. Ou quando sinto água quente no corpo. Ou quando tenho comida na mesa. Ou quando o wifi funciona sem qualquer interferência.  É tudo uma questão de perspetiva. Estejam atentos

 

- Que cada um tem a sua estratégia para cada desafio e o adapta de acordo com as suas necessidades e formas de ver a vida. Existem os pragmáticos, os sistemáticos, os aborrecidos, os preguiçosos, e os lunáticos - como eu.

 

- Nada é fixo e tudo se transforma. Não há segundo que seja igual ao seguinte. Estamos um segundo mais velhos. Um segundo mais sábios. Um segundo mais ou menos felizes. Um segundo mais ou menos sujos. Um segundo mais velhos. Um segundo mais ou menos ansiosos. Enfim, vocês percebem. Estejam atentos

 

Boa semana para todos, que eu hei-de ter a minha!

 

 

10.09.18

Desafio 30 dias minimalista #3 a #9

Rita (porque minimalistas há muitas)

Bom dia malta!

 

transferir.jpg

Continuando o nosso desafio - e pedindo desculpa pelo atraso:

 

#3 - destralhe a sua vida digital 

 O dia 3 foi maravilhoso! Organizei o correio digital de todas as minhas contas de email e o desktop de trabalho. Progresso, right? Infelizmente deixei algo para fazer. Algo que já há muito tempo anda na minha cabeça e ainda não arranjei coragem para levar adiante. A limpeza do meu disco externo! Ai que trabalheira. Há tempos fiz uma pré-lavagem porque estava a ficar sem espaço. O disco tem 500 GB. Na altura consegui reduzir o numero de fotos de 15 000 para 13 000. Nada mau, mas não é suficiente. Entre programas de software, fotografias, ficheiros de antigos postos de trabalho - de certeza que há ali uns 200GB que consigo apagar. Não basta apagar o mínimo, para arranjar espaço para o que aí vem. Não é sustentável e comprar um disco novo está fora de questão. 

 

#4 - passe o dia inteiro sem reclamar 

 

Ora, este não foi fácil. Na verdade, para fora não saiu nada mas interiormente estava sempre a lembrar-me para não reclamar a toda a hora. A altura do mês também não é a melhor, If you know what I mean. Mas a muito custo lá consegui. 

 

#5 - identifique 3 prioridades na sua vida 

 

Esta é fácil. Não tirei o dia para pensar nisto - as 3 prioridades já estão mais do que definidas. Na realidade, se pensar bem não são 3. São para aí umas 75. Mas bom, 3 delas são as do blog - Minimalismo, vegetarianismo e zero waste. A nível familiar, tenho outras 3. A nível social, mais 3. A nível económico - outras 3. Não vou enumerar tudo, certo?

 

#6 - siga um ritual matinal 

 

O ritual matinal. Ai este meu ritual matinal que não quer por nada tornar-se ritual. Desculpem-me mas ainda não consigo. Tenho um ritual ideal, não sei se já falei sobre isto aqui - mas trata-se de acordar às 5 da manhã, beber um longo chá quente no sofá às escuras, exercitar-me e escrever no blog antes de ir para o trabalho. Este é o meu ritual - que ainda está por acontecer. Mas hei-de lá chegar. A Mel Robbins que o diga (quem estiver interessado em ver este vídeo, ative as legendas em português)! 

 

#7 - organize sua lista de leitura

 

A minha lista de leitura está organizadinha. Tenho os livros arrumados na estante por ordem preferencial de leitura. Agora falta... LER. 

 

#8 - aprenda a apreciar a solidão 

 

Toda a vida gostei da minha solidão. Adoro ter o meu espaço e tempo. Chamem-lhe procrastinação ou inutilidade, mas eu gosto. Principalmente ao fim de semana. Adoro desligar-me, deitar-me às 9 da noite e saber que tenho 15 horas para dormir à vontade. Destas 15, normalmente restam 7 ou 8 porque demoro imenso tempo a adormecer. Um dia destes desligo-me o fim de semana inteiro. Quem me conhece e precisa de mim, está à distância de uma chamada telefónica. 

 

 #9 - diminua a sua coleção de produtos de beleza 

Isto, de facto ainda não o fiz porque me custa. Sim, tenho produtos de maquilhagem cujo prazo de validade já expirou, mas sei que ainda funcionam. Por norma não uso maquilhagem nem carrego a pele com cremes e pomadas. Mas e os batizados? E os casamentos? E jantares finórios? Sei lá, tudo pode acontecer - E quando acontecer, gostava de ter opções. Apesar de na maioria das vezes não usar nada. É tão bom! E a verdade é, que se uma miúda estiver muito "produzida" e pintada - as pessoas reparam. Mas quero acreditar que se não estiver, as pessoas não reparam. O que faz de mim uma pessoa completamente normal. Eu gosto de ser normal. Não ligo a aparências e adoro ir aos supermercados e esplanadas de leggings e t-shirt. Adoro principalmente quando pessoas próximas ao meu trabalho me reconhecem na rua e mudam radicalmente a forma de estarem comigo durante a semana por perceberem que afinal sou uma pessoa do povo. - Mas leiam com atenção o que vos digo - qualquer dia deito tudo fora. 

 

O que já aprendi com este desafio?

Que não é preciso levá-lo 100% a sério.

Que podemos levá-lo ao nosso ritmo e fazer o que está ao nosso alcance a curto prazo. O resto logo se fará.

Há que trabalhar para sermos melhores um pouquinho de cada vez. Há que transmitir a nossa mensagem e defender os interesses do planeta e da nossa paz de espírito.

Aprendi que se as aparências são tudo para uma pessoa, sabe-se que por dentro não tem nada para mostrar.

Aprendi que é bom gostarmos e apreciarmos a nossa solidão - mais ninguém o fará. 

Aprendi que devemos reavaliar as nossas prioridades sempre que possível.

Aprendi a fazer o que vai no meu coração - apesar de todas as opiniões e sugestões contrárias à minha volta. Parece que toda a gente tem opinião sobre tudo e que toda a gente viveu mais do que eu para me mostrar que estou errada. O esforço e os argumentos que levantam para me fazer voltar atrás. É que nem têm noção do quanto magoam. Para mim, são decisões ponderadas e tomadas. Para eles, são bocas deitadas para fora sem pensarem muito e só para manter conversa. 

 

Ok, talvez alguns destes pontos não tenham sido aprendidos com o desafio, mas foram - por certo - surgindo ao longo da semana. Só queria deitar cá para fora. 

 

Boa semana para todos!